Windows Live Messenger + Facebook

Chat

Este blogue é, e continuará a ser, um espaço de debate aberto e democrático sobre os assuntos do nosso Santa e da nossa Região. No entanto, não será admitido qualquer comentário que ultrapasse as regras do bom senso e da educação. Comentários insultuosos, ameaças e faltas de respeito para com os demais serão moderados, tendo a administração do blogue a autoridade e o dever de agir em conformidade contra os infractores - através de todos os mecanismos de protecção do mesmo. Saudações Santaclarenses RBOF

Resultado na hora

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Vitórias ajudam à adaptação


Avançado brasileiro marcou o primeiro golo ao serviço do Santa Clara e salienta a importância de um desempenho positivo na adaptação a uma nova realidade.
Sylvestre foi utilizado nos cinco jogos oficiais que o Santa Clara já disputou nesta época mas foi em Matosinhos, no domingo passado, que o brasileiro entrou pela primeira vez no onze titular e completou os 90 minutos. O avançado revelou-se decisivo para o triunfo ao apontar o segundo golo no início da segunda parte, reforçando a vantagem adquirida no final da primeira parte quando Moreira inaugurou o marcador.
Foram dois golos de cabeça e foi com cabeça que a nossa equipa pautou o seu desempenho, como salientou Sylvestre. «Fomos com intenção de vencer e conseguimos a vitória. Estou feliz por isso e pelo golo que marquei», disse, confirmando que a estratégia passava por «entrar sólidos, realizar uma boa partida e esperar pela oportunidade para marcar».
O primeiro golo foi o corolário da estratégia e o segundo confirmou a superioridade táctica da nossa equipa sobre o opositor, mas o triunfo poderia ter sido mais folgada. «Não foi deslumbramento, é o futebol que tem destas coisas», disse, explicando o porquê da equipa não ter conseguido reforçar a vantagem no marcador. «O importante é que ganhamos e recuperamos os dois pontos perdidos em casa na jornada anterior», salientou.
Um golo e uma vitória reforçam a moral de qualquer jogador, ainda para mais quando se trata de um atleta que está a jogar na nossa equipa pela primeira vez. «Dá motivação, sim, ainda para mais numa fase em que ainda estou a adaptar-me ao futebol português que tem mais contacto físico que o brasileiro».

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Santa Clara já conta com os mundialistas



Alex e Tiago Maia começam esta semana a treinar e passam a fazer parte das opções de Bruno Moura. O extremo e o guarda-redes, que representaram a Selecção Nacional de sub-20, no Mundial da Colômbia, tiveram direito a alguns dias de férias, mas já assistiram ao jogo de Matosinhos, após o qual integraram a comitiva açoriana.






BEM VINDOS A CASA

APOIAR SEMPRE


domingo, 28 de agosto de 2011

Leixões 1 Santa Clara 2

Santa clara vence o Leixões por duas bolas a uma, golos de Moreira e Silvestre numa partida em que a nossa equipe podia ter ganho por um resultado mais alargado.

O Santa Clara venceu este domingo e o Leixões em Matosinhos por 2-1, em jogo da 2.ª jornada da Segunda Liga, alcançando a primeira vitória no campeonato.

Numa primeira parte equilibrada e com poucas ocasiões de golo, o Santa Clara, orientado por Bruno Moura [na foto] inaugurou o marcador num lance de bola parada quase sobre o intervalo: no minuto 45, Lourenço, rematou um livre à trave, a bola bateu nas costas do guarda-redes Waldson e Moreira apareceu para marcar de cabeça.
Antes disso, os dois únicos momentos de real perigo pertenceram ao Leixões. Capela, aos 35 minutos, rematou forte, mas a bola saiu lado e Fausto, aos 43, de fora da área, também errou o alvo.
A segunda parte começou da pior forma para os locais, com a expulsão de André Carvalho logo no segundo minuto. O médio leixonense travou Vandinho, num lance que o árbitro Manuel Mota considerou merecer vermelho direto.
A partir dessa altura, os da casa desorientaram-se por completo, permitindo ao Santa Clara gerir da melhor forma o jogo, aproveitando para aumentar a vantagem.
Aos 57 minutos, Nélson cruzou para a grande área, Sylvestre apareceu isolado e, de cabeça, encostou para o golo.
O Leixões, a jogar com menos um, lutou com as armas que tinha para anular a superioridade da equipa açoriana e o golo quase chegou aos 81 minutos.
Primeiro Feliciano, rematou com a baliza aberta, mas Ilic conseguiu tirar a bola mesmo em cima da linha. O lance sobrou para Fausto, que, de cabeça, ainda tentou surpreender a defesa visitante, mas sem sucesso.
O golo do Leixões surgiu quase no final da partida, por intermédio de Pedro Santos, que surpreendeu tudo e todos na marcação de um livre, aos 88 minutos.
O Santa Clara saiu de Matosinhos com a primeira vitória e, num jogo em que atuava perante o seu público, o Leixões sofreu a primeira derrota.
Jogo no Estádio do Mar, em Matosinhos: Leixões - Santa Clara, 1-2.
Ao intervalo: 0-1.
Marcadores:
0-1, Moreira, 45 minutos.
0-2, Sylvestre, 57'.
1-2, Pedro Santos, 88'.
Leixões: Waldson, Paulinho, Nuno Silva, Joel (Pedro Santos, 61'), Florent (Seabra, 61'), André Carvalho, Luis Silva (Fangueiro, 46'), Capela, Feliciano, Fausto e Hernâni. (Suplentes: Fonseca, Zé Pedro, Fangueiro, Pedro Santos, Wesllem, Seabra e Diego Mourão).
Santa Clara: Stefanovic, Márcio Piccolo (Edgar, 54'), Sandro, Ilic, Nélson, André Simões, Lourenço, Minhoca, Valdinho (Paulo Grilo, 59'), Moreira (Pipo, 74') e Sylvestre. (Suplentes: Brice Niclos, Platini, Djurdjievic, Edgar, Dincic, Pipo e Paulo Grilo).
Árbitro: Manuel Mota (Braga).
Ação disciplinar: cartão amarelo para Sandro (16'), Paulinho (19'), Márcio Piccolo (39'), Luís Silva (45'), André Simões (66'), Lourenço (90'), Stefanovic (90+1') e Pipo (90+2'). Cartão vermelho direto para André Carvalho (48')
record





O jogo começou morno e só à passagem da meia hora de jogo é que houve uma verdadeira oportunidade e para o Leixões. Numa jogada iniciada por Fausto, Capela recebe a bola e já em desequilíbrio envia a bola a poucos centímetros do poste esquerdo da baliza dos açorianos.
Aos 44’ o golo do Santa Clara. Na sequência de uma suposta falta que não aconteceu Lourenço apontou um livre que foi direccionado à barra da baliza leixonense mas para infelicidade de Waldson a bola toca-lhe e ficou a saltar na área… Moreira chegou mais depressa que os adversários e conseguiu colocar a bola dentro da baliza. 
Reduzido a 10 unidades por expulsão de André Carvalho, o Leixões tinha o trabalho dificultado e ainda mais difícil ficou quando Sylvestre marcou o 2.º para o Santa Clara aos 57’-
Aos 70’ Fausto tentou a sua sorte mas encontrou pela frente o guarda-redes Stefanovic a impedir o tento dos da casa.
Mesmo assim valeu Waldson por diversas vezes a salvar a derrota mais pesada para os leixonenses. Exemplo disso foi a defesa feita aos 77’. Ao longo dos últimos minutos da segunda metade Pipo, do Santa Clara, tentou por diversas ocasiões colocar a bola na baliza leixonense mas sempre sem sucesso.
Aos 83’ fica uma grande penalidade por assinalar ao médio Pacheco por mão na bola.
Na sequência de um Livre descaído pela esquerda, Pedro Santos ainda reduziu a desvantagem, aos 88, para 1-2 ao colocar a bola dentro da baliza dos Açores.
Logo a seguir foi Seabra a tentar a sorte mas a bola acabou por sair ao lado da baliza do topo sul. O Leixões terminou por cima mas o resultado foi favorável aos visitantes que acabaram por vencer por 1-2.

blog leixões







Santa Clara defendeu quando foi preciso, atacou nos momentos certos e também soube sofrer na parte final do encontro. Triunfo em Matosinhos vinca a capacidade defensiva da nossa equipa.
O Santa Clara foi a Matosinhos derrotar o Leixões por 2-1 alcançando assim a primeira vitória no campeonato da Liga Orangina. O empate caseiro com o Arouca está rectificado e os pontos perdidos em casa recuperados, demonstrando o nosso colectivo saber bem o que quer em campo.
A jogar fora a nossa equipa concedeu a iniciativa de jogo ao adversário mas nunca deixou de ter a partida controlada, até porque o Leixões mesmo com mais bola pouco ou nada incomodava o reduto defensivo encarnado. As excepções foram os remates de Luís Silva e Fausto, ambos de fora da área, praticamente sem perigo.
Subindo no terreno à medida que o desafio se foi desenrolando, o Santa Clara marcou na primeira vez que criou perigo: livre directo de Lourenço ao poste, a bola ressalta para as costas do guarda-redes contrário e ficou à mercê de cabeça de Moreira que fez o 1-0 na recarga a dois minutos do intervalo.
O golo era o corolário de uma eficácia suprema, característica que se repetiu no lance do 2-0, assinado por Sylvestre, também de cabeça, após cruzamento de Nelson. Estavam decorridos 56 minutos e nesta altura os locais já jogavam com menos uma unidade por agressão de André Carvalho a Valdinho.
A vencer, o Santa Clara poderia ter avançado para um resultado mais tranquilo mas pecou na finalização. Moreira e Pipo tiveram o terceiro golo nos pés mas perderam tempo a preparar o remate, o que permitiu aos visitados manterem acesa a esperança na recuperação pois um golo poderia relançar o jogo.
O Santa Clara não marcou e acabou o encontro em sofrimento desnecessário porque o Leixões lançou-se no ataque e se num primeiro lance foi Ilic quem salvou o golo a Feliciano e Fausto, numa segunda ocasião a bola entrou mesmo, de livre directo cobrado por Pedro Santos.
Com três minutos para jogar mais os descontos, sobressaiu a frieza do nosso sector defensivo que continua a mostrar grande capacidade, apoiado por um meio-campo combativo e um ataque que neste domingo revelou-se letal.
santa clara

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Trabalho prossegue com vista para o Mar

Plantel profissional do Santa Clara cumpriu nova sessão de treino nesta quarta-feira focado na deslocação a Matosinhos onde, domingo, defronta o Leixões em partida da segunda jornada do campeonato da Liga Orangina.

O Santa Clara prosseguiu com o trabalho diário com mais uma sessão de treino realizada na manhã desta quarta-feira, no relvado do complexo desportivo das Laranjeiras. É a preparação para a segunda jornada do campeonato da Liga Orangina que leva a nossa equipa profissional do recinto do Leixões, em Matosinhos.
Bruno Moura orientou um treino de hora e meia que incidiu no reforço dos aspectos de natureza técnico-táctica tendentes ao aprofundamento do entrosamento entre os sectores, sem esquecer a preparação específica com o intuito de anular os pontos fortes do Leixões e explorar os menos fortes do opositor.
Neste apronto evoluíram praticamente todos os atletas, excepção a Pacheco que continua a recuperar de lesão. O capitão foi submetido a uma ressonância magnética que confirmou uma inflamação no joelho direito, pelo que o nosso médio continuará a efectuar trabalho de reabilitação.

Stefanovic aposta na melhoria do Santa Clara

Há dois meses nos Açores, o guarda-redes Stefanovic não esconde a surpresa por ter conquistado a titularidade tão cedo e garante estar motivado para manter o estatuto, principalmente depois de ter defendido uma grande penalidade no jogo da estreia. "Nesses lances não podemos fazer muita coisa, esperei até ao último momento e fui feliz porque a bola bateu no meu pé", disse. Apesar do empate diante do Arouca, o guarda-redes sérvio acredita num resultado "melhor" frente ao Leixões. "Perdemos dois pontos em casa, mas o primeiro jogo é sempre difícil".

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Tarde desinspirada força empate

A vontade de vencer não foi suficiente para derrotar o Arouca. Faltou inspiração e clarividência ao futebol da nossa equipa em mais uma tarde de intenso calor.  

O Santa Clara não teve o arranque esperado no campeonato da Liga Orangina pois consentiu um empate a zero na partida com o Arouca disputada na tarde de domingo no estádio de São Miguel. O resultado aceita-se pela reduzida qualidade que o encontro conheceu, em parte porque a nossa equipa sentiu dificuldades em ultrapassar a estratégia defensiva contrária.
O jogo até poderia ter sido diferente pois no primeiro minuto Dincic apareceu em zona de finalização mas um toque a mais na bola fez perder um lance de golo iminente. Os nossos jogadores não desanimaram e continuaram na procura do golo mas nem sempre as coisas saíram bem.
A intenção de querer pegar no jogo esbarrava nas dificuldades de circulação da bola, mormente do meio-campo para a frente. A tarde não era de inspiração e quando assim acontece a vontade não basta para superar um opositor que se fixou na sua zona defensiva, preso ao pontinho do 0-0 inicial. Nem os remates de meia-distância pareciam ser solução.
O intervalo chegou com o nulo a manter-se e assim continuou numa segunda parte ainda mais amarela em virtude do árbitro ter exibido por onze vezes o cartão amarelo e por três o vermelho, deixando o Arouca a jogar com dez a partir dos 74 minutos e com nove a partir dos 85, mas esta fase durou pouco porque aos 87 o nosso defesa Guilherme também recebeu ordem de expulsão.
Durante o período em que jogou em superioridade numérica pensou-se que o Santa Clara conseguiria, com maior ou menor dificuldade, chegar ao golo da vitória mas tal não sucedeu principalmente porque faltou sempre clarividência no processo ofensivo.
Apostando no contra-ataque, o Arouca quase marcou numa grande penalidade que Stefanovic defendeu mas o critério do árbitro não foi uniforme pois na outra área Lourenço sofreu uma carga dura e o juiz do encontro entendeu assinalar livre indirecto. Sem tempo para mais e sem inspiração, o resultado não sofreu alteração.
No estádio de São Miguel, com arbitragem de Jorge Tavares, o Santa Clara alinhou com: Stefanovic; Guilherme, Sandro, Ilic e Nelson; Edgar (Moreira, 69), André Simões e Lourenço; Pipo (Platini, 45), Dincic (Sylvestre, 55) e Valdinho. 

fonte/Santa Clara


Santa Clara consente empate no arranque do campeonato

Santa Clara consente empate no arranque do campeonato

Salva-se o ponto somado de um jogo com poucos motivos de interesse. Santa Clara sem inspiração foi presa fácil para um adversário apostado em defender.

O Santa Clara entrou a meio gás no campeonato da Liga de Honra ao consentir um empate sem golos na recepção ao Arouca. O jogo da primeira jornada fica marcado pela desinspiração colectiva e individual dos encarnados de Ponta Delgada que ficam a dever a si próprios um desempenho mais capaz pois o adversário limitou-se a defender.

A primeira oportunidade de golo pertenceu ao Santa Clara, logo aos 26 segundos, quando Dincic surgiu em boa posição mas um toque a mais na bola fê-la ganhar velocidade e o lance perdeu-se. Era o prenúncio de uma tarde em que nada sairia bem aos insulares, o que em parte justificado o nulo no marcador.

O outro aspecto que ajudou a manter o 0-0 até ao final foi a inspiração do guarda-redes Stefanovic que aos 65 minutos defendeu uma grande penalidade que Vinícius tentou converter. Foi o melhor que se viu de um Santa Clara desligado do meio-campo para a frente, incapaz de fazer valer a superioridade numérica que teve a partir dos 74 minutos com a expulsão de Miguel Ângelo e, mais tarde, aos 85, quando Jorginho também foi expulso.

Acácio Mateus


domingo, 21 de agosto de 2011

Três expulsões em jogo equilibrado


Santa Clara 0 Arouca 0
O Santa Clara empatou este domingo com o Arouca (0-0), num jogo a contar para a primeira jornada da Segunda Liga, no Estádio de São Miguel em Ponta Delgada, que terminou com menos três jogadores.
As duas equipas entraram em campo equilibradas num jogo muito disputado a meio campo e sem grandes oportunidades nos primeiros minutos de jogo.
A primeira jogada de perigo surge, aos 21, através de um remate de Valdinho que à frente da baliza de Rui Nereu atira ao lado do poste esquerdo.
A resposta do Arouca surge poucos minutos depois, através de um livre em que Romeu Torres, depois de receber a bola dos pés de Vinicius, cabeceou para a defesa do guardião do Santa Clara.
Ainda antes do tempo de intervalo, mais duas oportunidades para o Santa Clara inaugurar o marcador, primeiro aos 30 minutos com Valdinho a rematar muito por cima da baliza do guarda-redes forasteiro e depois, aos 43’, novamente com Valdinho a rematar com perigo mas a bola passa por cima da baliza.
Aos 65 minutos, Sandro faz falta sobre Babanco na área e vê a cartolina amarela originando grande penalidade a favor do Arouca mas que Vinicius não consegue concretizar devido a uma excelente defesa de Stefanovic.
Até ao final do jogo o árbitro foi atribuindo vários cartões amarelos e numa altura em que o Arouca já jogava com menos um jogador em campo, Jorge Tavares mostra o segundo amarelo a Jorginho que desvia a bola com a mão e é expulso.
O Arouca estava reduzido a nove jogadores. Aos 87 minutos, foi a vez do Santa Clara ficar com menos um jogador em campo, com Guilherme a atingir Roberto na cara e a ser expulso por acumulação de amarelos.
O Santa Clara empata assim com o Arouca a zero golos num jogo marcado por críticas à arbitragem de Jorge Tavares, num jogo a contar para a primeira jornada da Segunda Liga.
Jogo no Estádio de São Miguel, Açores
Santa Clara - Arouca 0-0
Santa Clara: Stefanovic, Gilherme, Sandro, Nélson,Ilic, Edgar (Moreira,70), André Simões, Lourenço, Valdinho, Dincic (Sylvestre, 56) e Pipo (Platini,45)
Arouca: Rui Nereu, Jorginho, Juan, Miguel Ângelo, Pedro Costa, Hugo Cruz, Vinicius (Hélder Silva,69), Néné, Babanco, Romeu Torres (Roberto,60) e Jorge Leitão (Diogo Santos,78)
Árbitro: Jorge Tavares (Aveiro)
Ação disciplinar: Cartão amarelo para Miguel Ângelo (27 e 75), Dincic (47), Hugo Cruz (49), Jorge Leitão (55), Sandro (65), Jorginho (68 e 85), Guilherme (82 e 87), Rui Nereu (90+2), Hélder Silva (90+3)
Cartão vermelho por acumulação de amarelos para Miguel Ângelo (75), Jorginho (85) e Guilherme (87)

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Comunicado

COMUNICADO




Comunicamos a todos os interessados que no próximo dia 18 de Agosto “quinta-feira pelas 19h30 se irá realizar reunião magna para eleger uma direcção neste grupo, a fim de levarmos a bom porto todos os projectos e iniciativas do mesmo.


Local:
Mike`s Bar e Grill

Hora: 19h30


Esperamos e contamos com a tua participação.

Apresentação do plantel


Evento terá lugar na noite desta quarta
-feira, dia 17, no Hotel Lynce, em Ponta Delgada. Ingresso com direito a jantar custa 20 santas para os sócios.
O Santa Clara Açores, Futebol SAD, promove na noite de quarta-feira, dia 17 de Agosto, um jantar de apresentação do plantel profissional para a época 2011/12. O evento terá lugar no Hotel Lynce, em Ponta Delgada, com início marcado para as 20.00 horas.
Aberto a todos os sócios e simpatizantes que queiram juntar-se à festa encarnada, o ingresso na cerimónia com direito a jantar tem o preço simbólico de 20 euros.
Para além da presença no jantar e do desfile dos nossos jogadores que serão apresentados, os associados poderão ainda conviver de perto com os atletas que representação as nossas cores na temporada que começou há três semanas e cujo primeiro objectivo, a qualificação para a segunda fase da Taça da Liga, já foi alcançado.
Os bilhetes estão à venda na sede do clube ou podem ser reservados pelo telefone 296 306 400.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Santa Clara bate Naval e ambos seguem em frente

TRIUNFO POR 1-0 COM GOLO DE PAULO GRILO
Santa Clara venceu este domingo em casa a Naval por 1-0, em jogo da 3.ª jornada da primeira fase da Taça da Liga, passando ambos à segunda fase.
A equipa açoriana terminou a 1.ª fase da prova em primeiro lugar, com sete pontos, ficando a Naval, em segundo, com seis pontos.
O único golo do jogo disputado no estádio de S. Miguel, apenas ocorreu aos 85 minutos, sendo apontado por Paulo Grilo, que aproveitou um ressalto de bola na sequência de um canto de Lourenço.
O tento dos açorianos acabou por premiar a maior pressão atacante dos encarnados de Ponta Delgada, num jogo dividido ao longo dos 90 minutos.
Já na primeira parte do encontro, a equipa da casa tinha protagonizado as três principais oportunidades de golo.
Aos 26 minutos, na cobrança de um livre, Pipo obrigou Guilherme a defender para canto e, aos 39, também de bola parada, Lourenço atirou à trave da baliza da Naval.
Pouco antes do intervalo, Platini, isolado, falhou um remate de cabeça. A única situação de perigo criada pela Naval na primeira parte aconteceu aos 20 minutos, quando Hugo Santos, de pontapé de canto, obrigou a uma defesa em esforço de Stefanovic.
No regresso dos balneários, os encarnados voltaram a estar próximo do golo aos 60 minutos, quando Lourenço, sem marcação atirou ligeiramente ao lado da baliza de Gulherme, e já no prolongamento, em contra-ataque, atirou por cima da barra.
Jogo no Estádio de S. Miguel, em Ponta Delgada.
Santa Clara-Naval, 1-0.
Ao intervalo: 0-0.
Marcador:
1-0, Paulo Grilo, 85 minutos.
Equipas:
Santa Clara: Stefanovic, Guilherme, Sandro (Paulo Grilo, 79), Nelson, André Simões, Platini, Edgar (Minhoca, 66), Dincic (Sylvestre, 56), Pipo, Ilic e Lourenço.
Suplentes: Brice, Minhoca, Moreira, Valdinho, Paulo Grilo, Fernando Vieira e Sylvestre.
Naval: Guilherme, Ricardo Ehle, Carlitos, Leomar, Sandro, João Pedro (José Rui, 65), Leandrinho (Giuliano, 45), Williams, Godinho, Hugo Santos e Fabiano (Roberto, 79).
Suplentes: Taborda, Júnior Pereira, Carlos Fernandes, Roberto, Giuliano, José Rui e Rogério Conceição.
Árbitro: Hélder Malheiro (Lisboa).
Ação Disciplinar: Cartão amarelo para Paulo Grilo (90).
Assistência: cerca de 150 espetadores

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Garantir os três pontos e o apuramento

Bruno Moura quer um Santa Clara focado na vitória na recepção à Naval. Treinador reconhece que a qualificação já devia estar alcançada. Organização e dinâmica podem levar ao sucesso.

O Santa Clara está a um pequeno passo de alcançar a qualificação para a segunda fase da Bwin Cup e para tal precisa pontuar na recepção à Naval em partida da terceira jornada do grupo B. Contudo, é a pensar na vitória que os nossos jogadores vão entrar em campo, conscientes do seu valor e respeitadores da qualidade do adversário.
Bruno Moura afastou qualquer cenário de jogar para o empate, ciente de que quem o faz normalmente sai derrotado. «Estamos aqui para somar os três pontos que ficamos a dever a nós próprios no último jogo. Com determinação, organização e dinâmica podemos vencer», disse.
O desejo de atingir a segunda fase da Bwin Cup entronca na ambição desportiva e na vertente financeira. «Queremos tentar ir o mais longe possível até porque na área financeira é importante continuarmos em prova. É verdade que já devíamos estar qualificados mas vamos lutar, concentrados, pela conquista dos três pontos».
A ambição é real mas isso não significa que a vitória esteja garantida até porque do outro lado vai estar uma equipa que impõe respeito. «A Naval desceu de divisão mas manteve no plantel muitos jogadores de I Liga e reforçou-se com outros de qualidade. Aposta claramente para subir e virá aqui tranquila», alertou.

Pé no travão

Aqui no estádio de S. Miguel em Ponta Delgada quem manda somos nós, é hora de testar esta convicção é preciso colocar o pé no travão já este fim-de-semana frente a Naval, em casa só queremos VITÓRIAS. Boa sorte e boa partida de futebol.


quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Santa Clara B


Santa Clara apresenta equipa para provas de ilha

O Clube Desportivo Santa ClSanta Clara apresenta equipa para provas de ilhaara vai competir este ano nas provas organizadas pela Associação de Futebol de Ponta Delgada no escalão sénior.

Está tudo a postos para que o Clube Desportivo Santa Clara regresse às competições organizadas pela Associação de Futebol de Ponta Delgada no escalão sénior.
Esta temporada, os responsáveis encarnados resolveram abrir uma equipa sénior, de forma a poder integrar alguns dos atletas que acabam a sua formação.
Assim, o Santa Clara pretende potenciar estes jogadores, abrindo assim uma janela de oportunidade para que, depois, possam prosseguir a sua carreira na equipa profissional do clube.
Com a criação de uma SAD, fica também aberta a possibilidade do Santa Clara, caso consiga sucesso desportivo, possa disputar as competições nacionais, nomeadamente aquelas que são organizadas sob a égide da Federação Portuguesa de Futebol (3ª e 2ª divisão nacional).
O plantel deste novo projecto, que será orientado por Pedro Bermonte, será apresentado já no próximo sábado, pelas 20h00, num restaurante na vila das Capelas.

Pobre futebol!

Estamos no início de mais uma época desportiva. Em Portugal, os clubes fazem contas à vida para que consigam cumprir com os compromissos rubricados para os próximos dez ou onze meses. Em tempo de crise, é isto que se exige a todos, sob pena de, rapidamente, se cair no “velhinho” cenário dos salários em atraso, pese embora não acredite que tal flagelo não venha a acontecer.
Nos Açores, o futebol encontra-se, igualmente, mergulhado numa enorme crise, com a maior parte dos clubes a sentirem enormes dificuldades para manterem as suas portas abertas.
Exemplos não faltam. Os históricos Lusitânia e União Micaelense vivem uma das piores fases das suas vidas. As dívidas acumulam-se, há atletas com um longo historial de salários em atraso, os credores não param de lhes bater à porta, enfim, acaba por ser desolador o que naquelas colectividades se vive. E quem disser o contrário estará a mentir, ou então está a tapar o “sol com a peneira”. Quem anda neste mundo sabe que o que acabei de dizer é a mais pura das verdades e não mera invenção, ou muito menos resultado de fervor clubístico por qualquer outra agremiação desportiva regional.
Aliás, ao Lusitânia e ao União Micaelense juntam-se muitos outros, alguns dos quais ainda estão em actividade, enquanto outros, infelizmente, já foram obrigados a encerrar.
Poder-me-ão dizer: a culpa é do modelo competitivo a que os clubes açorianos aderiram. Admito que sim, mas a verdade é que é o que existe e não vislumbro que a Federação Portuguesa de Futebol – entidade responsável pelos campeonatos nacionais não profissionais – se prepare para o alterar.
A verdade, porém, é que os clubes açorianos sempre viveram muito acima das suas possibilidades, sempre fiados nos subsídios públicos e na “misericórdia” de um ou outro sócio mais abonado.
Não concebo como, por exemplo, um clube que milita na terceira divisão (Série Açores) pode pagar 500, 600 ou até 1.000 euros de ordenado a um jogador. Mas onde têm a cabeça os dirigentes que avançam para contratos deste tipo? Por acaso, terão descoberto alguma mina? Claro que não. Fazem-no com sonhos de que o seu clube atinja este ou aquele patamar do futebol nacional o que, obviamente, acaba por invariavelmente não se cumprir. Claro que quando o sucesso desportivo não acontece, e como as receitas não aumentam, surge o efeito “bola de neve”. As dívidas vão-se acumulando, vão passando de época para época, até que acabam por ditar o encerramento da actividade, pelo menos no que toca aos escalões mais velhos.
Depois, é tempo de recolher cacos, de criar equipas nos escalões mais novos – novamente em busca dos apoios da Direcção Regional do Desporto – até que outro qualquer dirigente iluminado resolva começar a trilhar o caminho da loucura. É sempre assim. A história repete-se com A, B ou C e termina invariavelmente da mesma forma.
Perante isto, o futuro é negro, a não ser que os responsáveis finalmente se consciencializem que têm de dar passos seguros rumo à sustentabilidade e aqui reservo-me a direito de não apontar qualquer exemplo para não dizerem que estou a “puxar a brasa à minha sardinha”.
Mas a verdade é que, e até nem é preciso andar muito, para perceber que já há no futebol dos Açores quem finalmente tenha enfrentado a realidade. Olhe, sem clubismos, vejam o caso do Angrense, na Terceira, e de vermelho equipado, na Região, há mais quem já tenha compreendido que o segredo está em comprar barato, pagar ordenados adaptados à realidade e depois vender por valores que permitam, gradualmente, abater os passivos acumulados das más gestões.
Até para a semana

Pedro Botelho

Jogar para derrotar a Naval


O empate serve para a qualificação mas Nelson quer a vitória para o Santa Clara terminar o grupo B no primeiro lugar. Defesa reconhece demérito na finalização no jogo com o Arouca mas assegura que os golos vão surgir em maior número.
O Santa Clara estreou-se em casa na época 2011/12 com um empate a uma bola na recepção ao Arouca num jogo que acabou por ficar marcado pelas várias oportunidades de golo que a nossa equipa desperdiçou e que poderiam ter ditado a vitória e o consequente apuramento directo para a segunda fase da Bwin Cup.
Apesar do resultado, o colectivo não desmoraliza e mantém-se focado no trabalho diário, convicto de que no próximo encontro os golos vão aparecer. O defesa Nelson assumiu essa convicção e descansou os adeptos. «Criamos muitas oportunidades, o que é bom, mas por mérito do guarda-redes contrárias numas vezes e demérito nosso noutras não conseguimos marcar em quantidade suficiente para vencer», disse.
O lateral, que assumiu o papel de capitão na ausência de Pacheco, está confiante num bom resultado frente à Naval na última jornada do grupo B da Bwin Cup. «O empate é suficiente para nos apurarmos mas quem joga para empatar normalmente perde pelo que vamos encarar a partida com intenção de ganhar».
Do outro lado vai estar uma das equipas mais fortes da Liga Orangina. Nelson não receia o poderio do opositor. «A Naval é uma equipa que gosta de praticar bom futebol e isso pode ser positivo para nós porque não virá aqui jogar para não perder».

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Santa Clara TV

Parece mentira mas é verdade meus amigos, a partir de agora poderemos assistir a todos os jogos e conferências de imprensa do santa Clara em casa, para tal terás de entrar aqui

Boa sorte

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Santa Clara reforça defesa


Central Marcio Piccolo e o médio defensivo Paulo Grilo foram apresentados antes do treino de terça-feira. Ambos querem ajudar a equipa a alcançar os objectivos traçados.

Santa Clara reforça defesa
O Santa Clara continua a dar corpo ao plantel para a época 2011/12 e as mais recentes aquisições colmatam carências ao nível defensivo. De França chega o central ítalo-brasileiro Marcio Piccolo, de 24 anos, defesa que jogava no Estrasburgo.

Com 1,88 metros Marcio Piccolo definiu-se como um defesa «com técnica, forte na marcação e no jogo aéreo», tendo rubricado contrato válido por duas temporadas. Nos encarnados de Ponta Delgada a sua polivalência poderá ser útil pois também é comum actuar como médio defensivo.

Precisamente para esta posição o Santa Clara acertou o empréstimo de Paulo Grilo, jovem de 19 anos cedido pela Académica. O acordo estava feito desde o final da semana mas porque a equipa jogou fora na primeira jornada da Taça da Liga, o atleta só viajou para Ponta Delgada na terça-feira.

Já de encarnado vestido, o internacional sub-19 por Portugal explicou a opção tomada. «O Santa Clara pode ser uma boa rampa de lançamento para além de que é uma equipa que normalmente pratica um futebol atractivo. Estou aqui para ajudar a concretizar os objectivos definidos», disse.


Acácio Mateus

Arquivo do blogue